Monday, October 3, 2016

Crime Ambiental? Será?

Opossum

Este, à esquerda, é um "opossum" (Gracilinanus Microtarsus), como é conhecido em Portugal, USA, Canadá, Austrália...

Abaixo, outra espécie da mesma família.




Opossum



No Brasil, dependendo da região, o opossum recebe nomes diferentes. No Ceará 'atende' pelo nome de cassaco; e na Bahia por sariguê. Mas não verifiquei a veracidade desses fatos ainda. Sei, porém, por exeperiência, que em Ubatuba (cidade na costa norte do estado de São Paulo e abençoada pela mata atlântica) esse animal é conhecido como gambá. 

Pertence à família Didelphidae, e seu nome científico é Didelphis sp. Portanto, não deveria ser confundido com o skunk, que também recebe o nome de gambá no Brasil Mephitis mephitis, da família Mephitidae (foto abaixo)

Skunk / Gambá (ou Cangambá)
Pepe Le Pew (o gambá romântico da Warner Bros. Looney Tunes Cartoons)


Vi o tal  'Alerta Geral' (image do topo, à esqueda) circulando pelo FB. Incrível como a lavagem cerebral corre solta na sociedade. Pergunto-me se esse "alerta geral" e a frase na foto sobre "crime ambiental" é algo inventado por fanáticos que pensam que podem salvar o planeta.  Ou se é mesmo uma decisão séria e totalmente sem sentido de algum órgão ambiental. De qualquer forma, me causa espanto e desgosto a pequenez de algumas mentes humanas.

Algumas pessoas em Ubatuba e regiões próximas pensam que o gambá (opossum) só passa pelo seu quintal, e que são inofensivos. Sim, inofensivos até certo ponto. Mas causam estragos. Pra mim, isto é altamente ofensivo!

Há também os que acreditam ser uma ignorância matar um opossum. Bem, eu pergunto: e se o animal estiver causando estragos na sua casa?  Se a resposta for "mesmo assim!", concluo que para essas pessoas seja também uma ignorância matar baratas e ratos.

Não defendo a idéia de matar o animal. Só condeno a idéia dos extremos; de acharem que agora isso é crime ambiental. Tudo agora é crime ambiental - pelo menos em Ubatuba.  Mas lixo esparramado nas ruas devido a sacos furados por cachorros famintos, e também jogados por pessoas imundas; e queimadas de lixo na vizinhança; e cocô de cachorro na praia (não só dos vadios, mas também dos domesticados, cujos donos - muito sensatos -  abrem o portão para que seus cães saiam e  usem as vias públicas como banheiro) não é crime ambiental!  Quanta coerência! Incrível isso!

Tem quem ache que são ignorantes os que matam os gambás, principalmente a fêmea com a prole. "Porque são bonitinhos"!

Quanto à idéia de que os tais gambás só andam pelo quintal da sua casa, simplesmente para comer frutinhas... não é bem assim. Esses opossums passam a "morar" ao redor, e se proliferam como ratos! Um ou dois passando pelo seu quintal pode até não ser um problema, mas dúzias deles vivendo sob seu telhado já é outra estória. Sim, dúzias, e é fácil chegar a esse número. De acordo com Wikipedia, a fêmea tem ninhadas de 7 a 15 gambazinhos. E  de acordo com a Sociedade Americana de Opoosums, a fêmea tem 3 gestações por ano e cada uma pode render até 20 bebezinhos; mas 9 é a média. Mesmo assim... 9 ou 15 multiplicados por 3 gestações anuais, veja aí quantos gambás podem estar por perto! Só para enfatizar, estão muito longe de entrar em extinção. Muito pelo contrário!

Se você também acha que eles são lindos, continue lendo!

Mais lindo ainda é quando eles levantam as telhas do telhado da sua casa e ficam no forro, fazendo ninho com "recicláveis" (papel higiênico, plásticos, barbantes, tecido, etc) que acham nos lixos das calçadas e terrenos vazios (em Ubatuba, por exemplo).

E então os filhotinhos nascem. Ah, é uma festa!  Aconteceu isso uma vez, numa casa em que eu morei em Ubatuba. Estávamos jantando... e de repente umas gotas começaram a cair em cima da mesa de jantar. Não, não estava chovendo!  E então notamos que as gotas eram amarelas e cheiravam como xixi. Que gracinha!  Era a família de animais protegidos, que alegremente se abrigaram no forro da nossa casa.  Uma benção, mesmo!  Sem falar dos demais, já numa outra casa, que apareciam "no quintal"  todas as noites e perturbavam o sossego do meu gato, e comiam a comida dele também! E claro, não só apareciam - eles estavam morando no forro da garagem.

Numa outra ocasião (e esta foi recente), entramos na garagem e sentimos um cheiro horrível!  "Minha nossa!  Que cheiro de carniça é esse?  De onde vem isso?" nos perguntamos. E olhamos em todos os cantos, até que descobrimos que o cheiro vinha da lage da garagem (uma parte bem sob o telhado). Lá encontramos a carniça de um gambá morto, que provavelmente não conseguiu sair, e lá morreu. Vai saber!  O duro foi tirar aquele nojo de lá...

Toda essa inconveniência não é nada... Imagina! Deixemos os animais se proliferarem sem controle até que virem pestes. Afinal, estragos e inconveniencias não são nada, não é mesmo? E se eles se pegarem numa briga com o seu gato, também não faz mal. É, vamos proteger os gambás.

Estou, inclusive,  ansiosamente aguardando o dia em que os ratos e camundongos também serão protegidos. Deveria também ser um crime ambiental matá-los, pois eles só entram na sua casa se acharem uma brecha, e só para se aninharem, coitadinhos! Fazem xixi, cocô nas suas gavetas onde eles possam fazer o ninho, mas tudo bem... Eles não atacam, não são agressivos - eles até fogem de você! Pra que matar, não é?  São seres vivos, da NATUREZA!  E eles tem umas carinhas fofas também! Uma graça mesmo!

Não precisamos matar, podemos todos conviver em união, mesmo em excesso.  Quem liga para o equilíbrio, não é? Bobagem! Deixemos que eles se reproduzam à vontade e façam estragos. É tudo divertido... Adoro!!!  (E aliás, gatos e cachorros domésticos também adoram que esses animaizinhos de fora entrem em seus territórios!  São todos super amiguinhos!). Gambá se proliferando, se aninhando no forro do telhado, e mordendo meu gato em auto-defesa após ter esganadamente comido toda a ração dele, é tudo de bom! Amo iniciativas de proteção às pestes.

Rose



P.S. Tudo em excesso causa desequilíbrio. Até seres humanos em excesso viram pestes, porque interferem no equilibrio natural do sistema (recursos, paz, harmonia, saúde, ordem, etc). Há de haver equilíbrio na natureza também. Só isso. Nem matar tudo, nem proteger tudo. E sim, conhecer as consequências de cada extremo.

P.P.S. Enquanto alguns falam sobre crime ambiental contra os gambás, o caiçara ubatubense pega gambá em armadilha para comer! Sim!  Conheço alguns desse povo heróico que come gambá! E atestam ser uma carne muito saborosa. Nem por isso a ecologia sofreu por todos esses anos, com a morte de milhares de gambás! Tenho inclusive um livro de receitas culinárias clássicas (americanas) com receitas para o preparo desse prato gourmet. Olha aí que maravilha! (Nunca experimentei, mas agora que eu estava considerando optar por essa diversidade dietética, não posso mais, pois serei uma criminosa!)

Viu só como é? Estou só demonstrando os dois lados da questão.

Entendeu?




---
Referências:
http://opossumsocietyus.org/general-opossum-information/opossum-reproduction-lifecycle/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Gamb%C3%A1


No comments:

Post a Comment